Existem  diferentes câmeras disponíveis no mercado e para decidir qual usar, é  preciso considerar suas opções de lentes, a resolução necessária, frames por segundo e armazenamento. A maioria das câmeras são estáticas e com o objetivo em uma área específica. Outros aspectos a considerar são, abertura, exposição e velocidade do obturador.

Abaixo um guia rápido para as opções de lentes.

Resolução – a maioria das pessoas gostam de ver programas de TV em alta resolução, ou simplesmente dar zoom em uma tela de celular para aproximar uma foto. Mas na realidade isso não é possível a menos que você tem uma câmera de gravação com uma resolução alta. O problema com isto é que a câmera terá um custo mais elevado e armazenar as imagens será caro também.

Quadros por segundo (FPS) – quando escolher o FPS de uma câmera que está gravando é importante levar em conta as seguintes considerações: armazenamento e largura de banda.

Em um mundo ideal você gravaria com FPS mais alto em todas as câmeras, mas isso pode criar um elevado uso rede e exigir grandes quantidades de armazenamento para uma câmera que está gravando o espaço vazio 23 horas por dia. Achamos que entre 10 e 15 FPS pode produzir uma boa visualização para o monitoramento de pessoas, mas isto dependente da situação e do ambiente que estamos monitorando.

As informações acima são o básico para se preparar uma boa gravação, mas você também precisa ter uma boa compreensão dos seguintes pontos:

Área – quão longe você quer que a câmera para veja?
O detalhe – quanto de zoom que você quer ser capaz de fazer?
O movimento – você está gravando objetos rápido ou apenas alguém caminhando?

Codec – h. 264 / H.265 / MJPEG – você provavelmente estará trabalhando com h. 264 ou h.265, isto irá dar-lhe imagens de boa qualidade e usará uma menor largura de banda, o que permitirá que você tenha mais câmeras na rede.

Assim como o codec de câmeras você deve considerar como a câmera irá se conectar ao sistema. A maioria dos fabricantes de câmera criam um (Driver) personalizado para obter os melhores resultados de suas câmeras. No entanto, muitas câmeras são projetadas para serem genéricas para que possam trabalhar com a maior quantidade de sistemas, para fazer isso, elas usam o método Onvif. Dependendo de quão bem isso foi implementado na câmara pode ser a diferença entre uma câmera de alta qualidade e uma câmera de baixa qualidade. Se a qualidade é importante, as conexões personalizadas sempre produzem melhores resultados do que o Onvif. O Software Mirasys Enterprise de videomonitoramento é compatível com mais de 2 mil câmeras que operam por Driver, assim podemos obter as melhores imagens das câmeras.

Abaixo estão alguns outros pontos , mas essas pontos são normalmente automáticos e fora de controle da câmera e o sistema.

Método de transporte de dados – em redes, podem haver muitos caminhos diferentes. Câmeras com alta quantidade de trafego de rede usam o método preferido de tráfego UDP. A maioria dos outros métodos, tais como navegação na web usará TCP (RTSP).

RTP sobre RTSP – isto são seus dados TCP normais, e não é usado por muitos VMS devido ao aumento de processamento que pode adicionar atraso a imagens de vídeo; em vez disso, UDP é o preferencial. RTSP é muito robusto e muito útil em redes com alta perda de pacotes.

RTP sobre UDP – UDP tem menos consumo de rede associadas a ele que lhe permite correr mais suave, mais rápido e com menos processamento. No entanto, o UDP é mais frágil do que RTSP então pode sofrer em redes com alta perda de pacotes.

Taxa de bits variável (VBR) – O VBR pode poupar em largura de banda durante os períodos de baixa atividade, mas também usa maior largura de banda durante a alta atividade.

Taxa de bits constante (CBR) – permite que você seja mais preciso e calculista em seus cálculos de largura de banda, mas vem com o lado de não conseguir qualquer redução durante períodos de baixa atividade. Porem nunca vai ultrapassar os limites impostos e evitará gargalos de trafego.